Câncer do endométrio

Câncer do endométrio: sintomas, causas e tratamento

O endométrio é o tecido que reveste a face interna do útero. O câncer do endométrio se desenvolve  por uma mutação genética nas células desse tecido. A partir disso, ocorre uma produção descontrolada de células cancerígenas formando uma massa, ou seja, um tumor.

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), o câncer do endométrio é um dos mais recorrentes, estando em sexto lugar entre os mais frequentes, ficando atrás somente do câncer de mama, intestino, pulmão, colo do útero, e estômago.

Causas

As causas do câncer endometrial são desconhecidas, mas a formação pode ocorrer através de um processo de células anormais, já malignas, que se multiplicam de forma exacerbada, e formam o tumor.

Pode se iniciar também pela hiperplasia atípica, uma lesão pré-maligna que acomete o endométrio e que começa com o espessamento do tecido do endométrio, causado pela exposição excessiva ao estrogênio e torna-se um tumor quando não tratada a tempo.

Tipos de câncer do endométrio

Os três tipos de câncer do endométrio mais conhecidos são:

Carcinoma endometrioide

Os carcinomas são cânceres que se desenvolvem a partir das células que revestem o útero. Essas células são, geralmente, provenientes das glândulas que formam o endométrio. É o tipo mais frequente, cerca de 95% dos casos. Porém, se caracteriza por ser o menos grave e com chances de até 90% de cura.

Carcinoma seroso-papilífero

Esse é o segundo tipo mais comum, cerca de 8% dos casos. Nesse caso, a agressividade é maior, a probabilidade de metástase também é maior e as chances de cura são menores, exigindo um tratamento mais mais severo e rígido.

Sarcomas Uterinos

Os sarcomas são um tipo mais raro, cerca de 5% dos casos. Podem ser iniciado no estroma (tecido conjuntivo de suporte) e nas células uterinas.

Sintomas

O principal sintoma do câncer endometrial é o sangramento vaginal anormal, o que leva as mulheres a procurarem ajuda mais rapidamente. Os outros sintomas mais perceptíveis são:

  • dor pélvica;
  • massa anormal na região pélvica;
  • perda de peso;
  • hemorragia;
  • corrimento com ocorrência de sangue.

Esses sintomas não são exclusivos dessa doença. Mas sempre que apresentar algum desses sintomas, é muito importante procurar um ginecologista.

Fatores de risco

Os principais fatores que podem contribuir para o surgimento do câncer do endométrio são: desequilíbrio hormonal, obesidade, alcoolismo, sedentarismo, uso de DIU, pílulas anticoncepcionais, menopausa tardia, diabetes, tumores ovarianos, câncer de mama, idade avançada e histórico de câncer da região pélvica na família.

Tratamento

O tratamento é geralmente cirúrgico, feito com a retirada do útero, trompas e ovários (histerectomia) associada a tratamentos quimioterápicos. Pode ser também necessário a radioterapia e a quimioterapia. Tudo depende de cada tipo de câncer e o estágio que se encontra.

Prevenção é a melhor solução

A prevenção é muito importante e pode salvar vidas. O câncer do endométrio descoberto em estágio inicial tem chances de cura de até 95%. Portanto, não deixe de ser acompanhada por um ginecologista. Previna-se.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião oncológico no Rio de Janeiro.

Comentários

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp

© Desenvolvido com pelo iMedicina. Todos os direitos reservados.

Hérnias da Parede Abdominal

Ocorrem devido às malformações ou fragilidade adquiridas durante a vida. Neste local, por aumento da pressão intra-abdominal, o conteúdo peritoneal se projeta para o exterior, causando a hérnia. Geralmente, as hérnias são móveis, podendo ser reduzidas. Em algumas situações tornam-se presas (encarceradas), podendo inclusive sofrer isquemia (estranguladas).

Cálculos da Vesícula Biliar

A litíase das vias biliares, também conhecida como "pedra na vesícula", atinge de 10 a 20% da população. Por um desequilíbrio bioquímico na bile - que fica armazenada e concentrada na vesícula biliar - cálculos de tamanhos variados podem se formar. Esses podem ser assintomáticos, causar dores de intensidade variada e complicações mais sérias - como colecistite, colangite e pancreatite.