Câncer de estômago

Câncer de estômago: causas, sintomas e tratamento

O câncer de estômago, conhecido  também como câncer gástrico, se desenvolve a partir de várias alterações pré-malignas na mucosa intestinal como a gastrite crônica e úlceras.

Pode ser caracterizado por vários tipos de tumores. O adenocarcinoma é o tipo mais comum, sendo responsável por 95% dos casos. Os outros tipos menos recorrentes são linfoma e leiomiossarcoma, tumores neuroendócrinos e GISTs (5% dos casos).

Este artigo foi feito para te ajudar a entender melhor as causas, sintomas e tratamento.

Causas

A causa ainda não foi definida, mas está fortemente associada à úlcera gástrica e infecção pelo H. pilory. Mas, em geral, é causado por uma mutação nas células do estômago, que as fazem crescer e se multiplicar de forma descontrolada, gerando o tumor.

Sintomas

Os sintomas mais conhecidos são a perda de apetite, emagrecimento repentino, cansaço extremo, sensação de barriga cheia mesmo em jejum ou ter comido pouco, fezes escurecidas e com ocorrência de sangue, náusea e vômito, massa palpável na parte superior do abdômen, entre outros sintomas mais raros.

Fatores de risco

O consumo de sódio, produtos alimentícios enlatados, em conserva e defumados é um dos principais fatores de risco para o câncer de estômago. Além disso, outros fatores podem contribuir para o câncer de estômago:

  • idade (pessoas acima de 50 anos fazem parte de 65% dos casos no Brasil);
  • alimentação não balanceada e rica em conservantes, sal e açúcar:
  • consumo de álcool;
  •  tabagismo;
  •  ter um trabalho que exponha diariamente a compostos químicos e radiação.
  • histórico familiar de câncer gástrico.

Diagnóstico

O médico solicitará exames de endoscopia e exames de imagem abdominal. Outros exames podem ser feitos como a biópsia, para analisar a histológica do tumor e para identificar o estágio que se encontra.

Existem quatro estágios da doença. É crescente e a dificuldade de cura também se relaciona pelo estágio.

Como tratar

Se o câncer for localizado, ou seja, se estiver restrito ao local e aos gânglios existentes ao redor, é feita a cirurgia para retirada de uma parte ou todo o estômago, dependendo da situação. Após isso, é feito tratamento com quimioterapia e radioterapia. Se o câncer for metastático, é impossível realizar a cirurgia. O tratamento, nesses casos, são paliativos, para melhorar a qualidade de vida e aumentar mais a expectativa de vida.

Importante

O diagnóstico precoce do câncer aumenta grandemente as chances de cura. Por isso é de extrema importância ir ao médico regularmente e fazer exames preventivos de checagem a anualmente.

Para pessoas com histórico de câncer na família, é recomendado a cada seis meses ou a critério do seu médico. Prevenir é o melhor remédio.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião oncológico no Rio de Janeiro.

Comentários

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp

© Desenvolvido com pelo iMedicina. Todos os direitos reservados.

Hérnias da Parede Abdominal

Ocorrem devido às malformações ou fragilidade adquiridas durante a vida. Neste local, por aumento da pressão intra-abdominal, o conteúdo peritoneal se projeta para o exterior, causando a hérnia. Geralmente, as hérnias são móveis, podendo ser reduzidas. Em algumas situações tornam-se presas (encarceradas), podendo inclusive sofrer isquemia (estranguladas).

Cálculos da Vesícula Biliar

A litíase das vias biliares, também conhecida como "pedra na vesícula", atinge de 10 a 20% da população. Por um desequilíbrio bioquímico na bile - que fica armazenada e concentrada na vesícula biliar - cálculos de tamanhos variados podem se formar. Esses podem ser assintomáticos, causar dores de intensidade variada e complicações mais sérias - como colecistite, colangite e pancreatite.